Você conhece a famosa frase do francês Antoine Lavoisier? “Na natureza, nada se cria e nada se perde. Tudo se transforma”. Ela é do século XVIII, mas 200 anos depois ela volta à tona com toda força, principalmente devido a terceira fonte de energia mais usada no Brasil – a biomassa.

De fato, o Brasil possui a matriz energética mais renovável do mundono industrializado, com mais de 46% de sua produção tendo como fonte os recursos hídricos, o etanol e a biomassa, que vem ganhando bastante destaque nos últimos anos.

Boa parte da bioenergia gerada no país é decorrente de uma variedade bem grande de fontes de biomassa, incluindo resíduos florestais, agrícolas, industriais e da pecuária. Devido às suas características, a biomassa apresenta grande potencial para garantir um crescimento ainda mais sustentável da matriz energética brasileira, tornando-a mais sustentável em todos seus aspectos.

Saiba neste post qual é a importância da biomassa, seu potencial de crescimento e como conseguir alcançar isso.

Importância da biomassa na matriz energética brasileira

No Brasil, a geração de energia a partir da biomassa é responsável por mais de 9% de toda a energia gerada no país. Além disso, o Brasil tem muitas fontes de biomassa a sua disposição, portanto suas perspectivas de crescimento são bastante grandes. Entende-se por biomassa toda a fração biodegradável de produtos e resíduos de matérias orgânicas (agrícolas e industriais, principalmente).

Entre estes materiais pode-se citar: resíduos agrícolas (bagaço de cana, casca de arroz, restos de culturas), resíduos do processo florestal (lascas, costaneiras, cavaco, etc.), resíduos animais (gorduras, óleos, graxas e estrume de animais) e muitos outros. Quando comparada com os combustíveis fósseis, caso dos derivados de petróleo, a biomassa gera muito menos emissões de gases causadores do efeito estufa, sendo por isso considerada uma fonte renovável de energia.

Isso porque, a combustão dos materiais orgânicos devolve à natureza apenas o carbono, que foi utilizado pela planta no seu crescimento, retornando o ciclo, portanto não gera grandes prejuízos ambientais.

Além dessa questão, a utilização da biomassa como combustível energético aumenta a diversificação da matriz energética brasileira, reduzindo a dependência dos combustíveis fósseis não renováveis.

Benefícios da biomassa para a sustentabilidade

Uma das grandes preocupações do 3º milênio é a sustentabilidade, ou seja, novos projetos precisam ser concebidos com base no avanço sustentável. E a geração de energia representa um dos principais alicerces que precisa se enquadrar no desenvolvimento sustentável.

Neste sentido, a biomassa vem contribuindo significativamente com a geração sustentável de energia, pois atende os principais pilares presentes no tripé da sustentabilidade. Neste tripé estão contidos os aspectos econômicos, ambientais e sociais da sustentabilidade, que devem interagir de forma holística, ou seja, trazendo benefícios mútuos em todos os aspectos.

Na parte econômica, a biomassa promove o aumento da diversificação da matriz energética brasileira, reduzindo a dependência de combustíveis fósseis através da utilização desta como recurso energético. Além disso, a biomassa é uma matéria-prima bastante barata em comparação com outras formas de energia. É também uma fonte produzida regionalmente e, portanto, colabora para independência energética e geração de receita regionais.

Os benefícios sociais do uso da Biomassa também são significativos. Já que há uma expressiva geração de empregos (diretos e indiretos). Além disso, boa parte destes empregos ocorre na zona rural, promovendo a fixação do trabalhador nestas regiões, principalmente os de baixa escolaridade.

Há também a questão dos equipamentos necessários para a geração da energia a partir da biomassa. Essencialmente no Brasil a maior parte dos equipamentos que convertem a biomassa em energia é de fabricação nacional, portanto não há a necessidade de importação, como acontece como outras fontes de energia.

Por fim, os benefícios ambientais se relacionam com o uso de combustíveis renováveis. Estes têm por característica não contribuir com o aquecimento global, que é muito agravado pelo aumento da emissão de gases de efeito estufa (GEE).

A biomassa contribui ainda com alta eficiência energética aliada a baixa emissão de gases, além do grande uso de florestas designadas ao sequestro de carbono.

O potencial de aproveitamento da biomassa

A biomassa já apresenta boa participação na matriz energética brasileira, tanto que já oferece aproximadamente 9% de toda a eletricidade consumida no país.

Mesmo com estes números, as perspectivas de crescimento no país ainda são muito grandes. Junto com a energia eólica e solar, a biomassa deve ser, num futuro próximo, uma das formas de energia com maior capacidade de desenvolvimento. Essa boa perspectiva se deve à descoberta dessa forma de combustível por parte das indústrias. Tanto que diversas empresas que produzem sua própria energia já estão substituindo os combustíveis fósseis que movimentavam suas plantas por fontes alternativas, como a biomassa.

Esse potencial se faz ainda mais expressivo devido ao avanço tecnológico que permite melhor capacidade de combustão aliada ao melhor aproveitamento da biomassa.

Diversas indústrias nacionais, caso da Secamaq, já desenvolvem produtos que possibilitam melhor aproveitamento desta matéria-prima, mesmo com níveis de umidade mais elevados. Dessa forma, a eficiência do processo tem aumentado significativamente, contribuindo com a popularização desta matéria-prima.

Outro fator que indica bastante otimismo quanto ao futuro da biomassa no Brasil é a alta disponibilidade de espaço físico para produzir os resíduos usados para abastecer as caldeiras geradoras de vapor.

Isso porque, o Brasil é um país de dimensões continentais e apresenta ainda milhares de hectares com baixa ocupação econômica que poderiam ser utilizados para o cultivo de biomassas de origem florestal.

Desafios brasileiros para o setor

Apesar das perspectivas serem ótimas, há ainda alguns desafios que precisam ser melhor enfrentados pelo país para acelerar o desenvolvimento desse setor. Dessa forma, para acelerar e estimular o uso das biomassas, é necessária a criação de políticas públicas mais favoráveis, caso de crédito especial e benefícios fiscais que incentivem a substituição dos combustíveis fósseis por fontes renováveis.

Além disso, deve existir políticas de incentivo ao setor florestal e industrial responsáveis por esta fonte sustentável de energia. Isso irá gerar desenvolvimento de novos negócios com consequente geração de novos empregos. Tais medidas trarão estabilidade ao setor, favorecendo novos investimentos, que serão garantidos por uma política setorial mais favorável, sempre baseado no desenvolvimento econômico, social, ambiental e tecnológico.

Somente com a resolução destes desafios que conseguiremos contribuir com a sustentabilidade e transformar resíduos em energia, como preconizava Lavoisier 200 anos atrás.

E para ficar ainda mais por dentro das vantagens do uso da biomassa como combustível, veja esse conteúdo e entenda melhor seus benefícios.