As caldeiras são equipamentos destinados a gerar energia para uma diversidade bem grande de indústrias. Para seu funcionamento, é necessário que haja a queima de elementos combustíveis, como óleo, gás, biomassa, dentre outros. Estes, quando queimados, irão gerar o calor (energia). Porém, em razão de diversos fatores, a geração de calor pode tornar-se ineficiente, ou seja, o consumo de combustível em caldeiras não resulta na máxima capacidade de geração de energia.

Como consequência, haverá perda de dinheiro para a empresa. Inclusive, esta dificuldade em controlar a queima de combustíveis é mais comum do que imaginamos.

Por isso, todos os gestores das indústrias devem se preocupar com a eficiência do consumo de combustível em suas caldeiras. Mas você sabe como ser eficiente e valorizar o dinheiro com as caldeiras?

Veja algumas dicas importantes agora.

Ar: elemento fundamental para melhorar o consumo de combustível em caldeiras

Para um funcionamento eficiente de toda caldeira, os combustíveis são fundamentais. Porém, tão fundamentais quanto os combustíveis é o ar. Para ser eficiente, toda caldeira necessita de ar!

Fornecendo a quantidade correta de ar, ocorre o que se costuma chamar de combustão completa.

Porém, quando o ar de combustão é oferecido abaixo do necessário, é produzido o gás Monóxido de carbono (CO), resultado de uma combustão incompleta. Esse gás é representado por uma fumaça preta saindo das chaminés.

Por outro lado, quando há excesso de ar na caldeira, observa-se eficiência energética reduzida, pois além de oxigênio, o ar carrega também nitrogênio, que é um gás relativamente inerte com capacidade de diminuir a temperatura dos gases de combustão, aumentando o consumo de combustível em caldeiras e reduzindo o desempenho da caldeira.

Devido a essas ocorrências, o volume de ar no equipamento de queima deve ser ajustado, considerando o combustível utilizado. Assim, consegue-se melhorar o consumo de combustível em caldeiras, que se tornarão mais eficientes na geração de calor.

Fazer medição dos gases também é fundamental

A busca pela eficiência do consumo de combustível em caldeiras tem relação direta com a medição dos gases presentes na queima. Assim, é imprescindível que sejam feitas constantes medições dos teores dos gases durante o processo da queima.

São estes os principais gases:

  • CO² (dióxido carbono),
  • O² (oxigênio), geralmente verificada com analisadores de dióxido de zircônio.
  • CO (monóxido de carbono), realizada na unidade de pré-aquecimento, como componente secundário do controle dos queimadores.

Vale lembrar que o monitoramento preciso da concentração de O² e de CO na saída da caldeira é fator decisivo para o monitoramento de ar durante o processo de combustão.

Tais medições dos gases irão informar, dentre outras coisas:

  • Se a queima está completa ou não;
  • Se o calor desprendido na fornalha está sendo bem aproveitado;
  • Se há altos níveis de poluição;
  • Se o volume/quantidade de ar é ideal.

Além da medição destes gases, o controle da fuligem (especialmente em caldeiras a biomassa) e a temperatura dos gases na chaminé também representam importantes medidas a serem analisadas.

Como reduzir o consumo de combustível em caldeiras?

Para tornar o processo de queima de combustível em caldeiras o mais eficiente possível, é necessário que sejam realizados basicamente dois conjuntos de ações: Manutenção regular das caldeiras e inclusão de fatores, que visam a eficiência complementar.

Manutenção das Caldeiras

As manutenções regulares terão relação com a função básica da caldeira, que é a queima correta dos combustíveis.

Durante as manutenções, o técnico conseguirá analisar os fatores que porventura estão prejudicando um processo de queima mais eficiente, solicitando adequações, quando julgar necessário.

Dessa forma, as manutenções regulares que visam maior eficiência no consumo de combustível em caldeiras devem priorizar as seguintes ações:

  • Regulagem da combustão, limpeza da caldeira e controle da temperatura de saída dos gases buscando maior eficiência do uso do ar;
  • Verificação do teor de umidade do combustível utilizado (para biomassa essencialmente). Tal fato auxiliará no maior controle da temperatura do combustível;
  • Ajuste da modulação da caldeira, aprimorando a sequência da queima de um ou de vários estágios na câmara de combustão da caldeira;
  • Inspeção para evitar perdas de calor ou defeitos na caldeira e equipamentos a ela ligados.

Ações complementares para maior eficiência

As ações complementares estão relacionadas a inclusão de fatores adicionais que demandam custos extras, mas quando bem aplicadas têm relação direta com a eficiência do consumo de combustível na caldeira.

A seguir são apresentadas as principais ações neste sentido.

  • Uso de aditivos específicos destinados a uma maior regulação da queima dos combustíveis, além da redução de corrosões e incrustações;
  • Instalação de equipamentos pré-aquecedores de ar, destinados ao aumento da temperatura do ar de combustão, tornando o processo mais eficiente;
  • Melhora do isolamento do equipamento, visando melhor retenção e aproveitamento do calor gerado;
  • Instalação de um tanque de condensado, para recuperar o condensado do vapor gerado.

Temos que ter ciência que as caldeiras são equipamentos fundamentais em praticamente todo tipo de indústria, por isso a redução de custos através da maior eficiência de uso de combustíveis é fundamental.

Manutenções regulares, correta medição dos gases e a compra de caldeiras reconhecidas pela sua qualidade serão os pontos de partida neste sentido.

Você precisa adquirir as melhores caldeiras para a sua empresa? Entre em contato com os consultores da SECAMAQ e conheça as melhores caldeiras do mercado!