CORROSÃO EM CALDEIRAS E COMO EVITAR ESSE PROBLEMA

CORROSÃO EM CALDEIRAS E COMO EVITAR ESSE PROBLEMA

Caldeiras são equipamentos geradores de vapor que funcionam sempre sob alta pressão, estando por isso sujeitas a ocorrência de explosões que, em alguns casos, podem ser até fatais para trabalhadores. Mas você sabia que uma das principais causas de explosão é a corrosão em caldeiras?

Quando não há medidas preventivas, a corrosão pode representar um dos maiores causadores de sérias ocorrências que comprometem o funcionamento das caldeiras e o andamento da empresa.

Por isso, é essencial falar sobre a corrosão em caldeiras. Veja o que é a corrosão em caldeiras, saiba quais são suas causas e entenda quais são as medidas que precisam ser adotadas para reduzir os efeitos deste problema.

O que é a corrosão em caldeiras?

Certamente você já deve ter notado alguns materiais metálicos que apresentam certo desgaste, porosidade e com uma cor marrom-avermelhada (“cor de ferrugem”).

Esse fenômeno é denominado corrosão e ocorre de forma quase que natural, decorrente do desgaste de materiais metálicos. Mas em caldeiras, a corrosão pode representar um sério problema, principalmente pela possível formação de fissuras e redução da espessura das paredes da caldeira.

A atuação dos elementos corrosivos em caldeiras é “silenciosa” e não detectável pelos instrumentos de operação da caldeira. Além disso, os pressostatos e as válvulas de segurança não impedem essas explosões, uma vez que elas não são necessariamente acompanhadas de elevação de pressão de operação.

Em caldeiras a corrosão pode ocorrer:

  • Internamente aos tubos, coletores etc., principalmente pela deficiência de tratamento da água e, no caso da presença de oxigênio (O2) e dióxido de carbono (CO2) dissolvidos, devido à má desaeração;
  • Externamente aos tubos, pela formação de sais de vanádio (se conter no óleo combustível) que agem como catalisadores na criação de ácido sulfúrico a partir de S02.

Já na parte externa da caldeira, a corrosão também ocorre, principalmente em virtude das condições atmosféricas.

Principais elementos causadores de corrosão em caldeiras

A corrosão em caldeiras aparece de três formas diferentes: localizada, por pite ou alvéolo. Mas, independentemente da variedade da corrosão é preciso identificar quais são os elementos principais desse sério problema.

Entre os principais elementos causadores de corrosão em caldeiras, pode-se citar como mais importantes:

  • pH ácido;
  • Oxigênio dissolvido;
  • Teores elevados de hidróxido de sódio e de cloretos, causadores da corrosão salina;
  • Presença de cobre e níquel, causadores da corrosão galvânica;
  • Presença de sólidos suspensos e de gás sulfídrico;
  • Depósitos porosos, complexantes ou quelantes;
  • hide-out ou ocultamento;
  • Com menor frequência, correntes de fuga e choques térmicos.

Já a corrosão em linhas de condensado pode ocorrer por conter no vapor, oxigênio, dióxido de carbono, amônia, dióxido de enxofre e gás sulfídrico.

Vemos também que o oxigênio é o principal agente corrosivo em linhas de condensado. Na mesma concentração que o dióxido de carbono, sua taxa de corrosão é de seis a dez vezes maior.

Medidas para prevenir a corrosão em caldeiras

A corrosão em caldeiras pode ser uma ocorrência inevitável sob algumas circunstâncias, assim, o melhor meio para reduzir os problemas causadores de corrosão é a prevenção. Vários tratamentos podem ser utilizados para combater esse processo, baseados em:

  • Tratamentos externos nas águas de alimentação;
  • Tratamentos internos nas águas de caldeiras.

Os tratamentos externos nas águas de alimentação ocorrem através da sua clarificação com agentes e equipamentos adequados. Estes tratamentos compreendem:

 – Remoção da turbidez, cor e gases;

 – Retirada de ferro, manganês e de dureza;

 – Desmineralização; 

 – Remoção de gases.

Os tratamentos internos, por sua vez, ocorrem por meio da remoção química do oxigênio por meio de desaeração com sulfito de sódio, com hidrazina e pela neutralização de dióxido de carbono.

Nas caldeiras de baixa e média pressão, os tratamentos podem ser: precipitante – fosfato mais polieletrólito; complexométrico; misto e dispersante.

Já nas caldeiras de alta pressão, é preciso trabalhar com água desmineralizada e condensada recuperada com a máxima pureza.

Os diferentes tratamentos internos utilizados em caldeiras de alta pressão são controle de coordenação e de congruente, controle zero sólido e com soda cáustica.

Além disso tudo, a manutenção periódica de caldeiras (https://www.secamaq.com.br/blog/manutencao-de-caldeiras/) e a limpeza deste equipamento são fundamentais para evitar ocorrências mais sérias relacionadas à corrosão.

Por isso, para evitar ocorrências mais sérias, as caldeiras industrias devem receber manutenção e limpeza de acordo com as recomendações do fabricante.

A empresa deve também adquirir caldeiras fabricadas por empresas que priorizam a máxima qualidade construtiva, que utilizam produtos de excelente qualidade, e que são produzidas por profissionais devidamente qualificados. Quer saber mais? Então veja quais são os principais cuidados que você deve ter para manter o bom funcionamento da sua caldeira: https://www.secamaq.com.br/blog/5-cuidados-que-voce-deve-ter-para-manter-o-bom-funcionamento-da-sua-caldeira/